Cine Caatinga – Experiências Audiovisuais no Sertão do Brasil | Funarte

Cine Caatinga – Experiências Audiovisuais no Sertão do Brasil | Funarte

Projeto Social 01
Comunidade rural recebe pela primeira vez um filme na praça.

 

 

Financiado pelo Ministério da Cultura/Funarte o projeto levou o audiovisual para comunidades de difícil acesso no Sertão baiano, como o povoado de Lagoa do Alegre e o de Caraíbas, do lado pernambucano. Em alguns lugares não havia água encanada, nem energia elétrica e por isso alguns dos moradores tinham assistido a uma sessão de cinema, quiçá participado de alguma produção.

 

Três vezes inédito: um filme na comunidade; a comunidade produzindo; e se vendo pela primeira vez na telona.
Três vezes inédito: um filme na comunidade; a comunidade produzindo; e se vendo pela primeira vez na telona.

 

Em conjunto com o Cine Caatinga, o projeto deu origem ao curta metragem “Ser Tão Avoador” – premiado nacionalmente e em exibição no Canal Brail e SescTV – contando com o elenco das comunidades em meio aos atores profissionais – a protagonista é a Manuella Markes, pertencente a Lagoa do Alegre. Entre público espectador, alunos das oficinas, comunitários engajados na produção e distribuição, foram mais de 1200 pessoas direta e indiretamente atendidas pelos projetos nos estados da Bahia, Pernambuco e Piaui.

 

O Cine Caatinga foi desenvolvido pelo jornalista e cineasta Wllyssys Wolfgang, que também produziu mais dois curtas-metragens nas comunidades: “Lagoa do Alegre” e “Conceição: Vida e Verso”.